Header Ads

Centro Cultural Bom Jardim está há 3 meses sem atividade

"O secretário Fabiano Piúba assumiu também a culpa, mas e aí? Estamos à luz de velas"

Resultado de imagem para centro cultural bom jardim

POR ARTHUR GADELHA

Nesta terça-feira, 02 de abril, o Fórum de Cultura do Grande Bom Jardim denunciou o que chamou de "auge do desrespeito". Há três meses, o Centro Cultural Bom Jardim (CCBJ), único equipamento de cultura instalado na periferia da região Metropolitana de Fortaleza, está com as atividades paradas por falta de verbas para manutenção. Há dois dias, falta luz.

Fundado em 2006, O CCBJ é gerenciado pelo Instituto Dragão do Mar, e é o único do grupo que teve a energia cortada. Graça Castro, integrante do Fórum, põe em evidência a gravidade de negligenciar o equipamento por todas a influência que causa na região. "Por que não foi no Dragão do Mar ou no Porto Iracema das Artes que cortaram a energia? Por que só no da periferia?".

Durante o ano, o equipamento enfrenta a chamada "Estiagem", que é o termo dado pelos moradores para se referir ao modo como o Governo do Estado faz o repasse das verbas de manutenção pública. O valor que seria para o ano todo chega apenas de seis em seis meses, e os moradores se mantém na persistência para que o processo permaneça aberto o ano todo. "O recurso foi assinado, mas não liberado, então não adianta nada se não chega. Temos um bom diálogo com o secretário de Cultura Fabiano Piúba. Quanto a luz, ele me disse que também acha um absurdo, que resolveu com o pessoal do Paulo Linhares [presidente do Instituto], que pediu pro diretor da Enel religar a energia, e até agora nada. Se fosse na minha casa, no máximo em seis horas a energia voltaria após o pagamento. Ele assume também a culpa, mas e ai? Estamos à luz de velas".

O espaço que atende cerca de 200 mil pessoas dos cinco bairros do Grande Bom Jardim promove ações culturais como espetáculos de música e teatro, mostras audiovisuais, e atividades formativas. Os cursos variam entre as áreas da informatica, jogos digitais, dança, teatro, música, gastronomia e oficinas de cinema.

"A linha de organização do CCBJ é múltipla e atende vários setores desassistidos. Trabalhamos muito a questão da memória e do pertencimento. Queremos que o morador da periferia se reconheça parte daquele espaço, e isso pra gente é uma luta", conclui Graça.



 

Atualização (03/04/19): A luz foi restabelecida e o Centro Cultural Bom Jardim voltou apenas com ações pontuais. A ausência de atividades por falta de manutenção financeira permanece. 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.